LinkedIn há muito deixou de ser apenas um hub para networking e repositório de currículos para se tornar uma rede social corporativa cheia de recursos. Agora, a companhia dá um passo adiante e conta com uma ferramenta para transmissão de vídeos em tempo real.

O LinkedIn Live começou a funcionar em fase beta nos Estados Unidos, apenas para um grupo de pessoas e com convite. A ideia é oferecer um utilitário usado na cobertura de conferências, anúncios de produtos, sessões de perguntas e respostas e eventos liderados por influenciadores digitais e mentores. Até formaturas e cerimônias de premiação estão na mira da empresa.

linkedinFonte: TechCrunch

A plataforma já conta com suporte audiovisual e a ideia é ampliar a ofertar para monetizá-la de forma mais ampla. Inicialmente, o foco é mesmo o streaming ao vivo com distribuição inteligente, a partir de algoritmos que compreendam melhor os seus interesses.

Dinheiro à vista

Para isso, o LinkedIn terá apoio de sua detentora, a Microsoft, e o poder dos serviços de mídia na nuvem Azure — o que representa o primeiro grande sinal de parceria desde a compra em 2016. Além disso, já estão escalados criadores de conteúdo para participar desse processo inicial, a exemplo de Wirecast, Switcher Studio, Wowza Media Systems, Solialive e Brandlive.

A companhia não citou quais são exatamente os planos para o futuro, entretanto, fica visível aqui uma grande oportunidade de aumentar a receita com anúncios em vídeos. As possibilidades de monetização são muitas, como atrações pagas com empreendedores, eventos corporativos para os assinantes premium e serviços de transmissão de conteúdo.

linkedinFonte: TechCrunch

Com mais de 600 milhões de usuários em todo o mundo, o LinkedIn aposta muito no sucesso do LinkedIn Live para os próximos meses. Ainda não há previsão de distribuição da ferramenta para outras praças.