Depois de prometer reduzir suas emissões de carbono até 2030, a China estabeleceu um prazo para que sejam finalizadas as vendas de veículos movidos a combustíveis fósseis pelas montadoras.

A mudança, que está sendo trabalhada junto a órgãos reguladores do governo, impulsionará o comércio de carros elétricos no país, mercado esse liderado pelas empresas BYD Auto e BAIC Motor. O governo ainda estuda quando será aplicado o prazo final para a interrupção da produção dos automotores a combustão.

Um carro elétrico carregando

A proibição vai exigir que as empresas locais foquem esforços na produção de veículos com emissão zero, para ajudar na meta do país, que se junta com Reino Unido e França na busca de eliminar automotores que usam gasolina e diesel.

Liu Zhijia, gerente geral assistente da montadora Chery, disse ao site Bloomberg que, em um mercado grande como o da China, a proibição pode ser concluída até 2040. A empresa, que também vende carros no Brasil, revelou recentemente seu SUV híbrido de luxo, mostrando que a chinesa também entrará no páreo dos veículos menos poluentes em breve.