Menu

Explore por temas!

Bookmarks

Salve suas notícias e leia quando quiser.

Como quase tivemos um calendário 'racional' com 13 meses

2 min de leitura
Imagem de: Como quase tivemos um calendário 'racional' com 13 meses
Avatar do autor

Por Luiza Lafuente

via nexperts

Quem nunca ficou de olho no calendário do próximo ano para conferir como ficam os feriados e a data do aniversário? Saber se vai dar para emendar alguns dias de descanso, ou chamar todos os amigos para comemorar no sábado sempre é uma boa surpresa. Mas essas variações de ano em ano acontecem por que seguimos o calendário gregoriano. 

Criado em 1582, pelo Papa Gregório, o atual calendário (que destronou o calendário juliano e o romano) teve um oponente à altura: o calendário com 13 meses. A proposta foi criada em 1902, por Moses B. Cotsworth, funcionário da ferrovia britânica. Ele procurava uma maneira de organizar mais facilmente os livros de registro da empresa, o que era complicado com meses quebrados e dias variantes. 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Seu projeto trazia semanas exatamente iguais, distribuídas em 13 meses, com 28 dias cada. A maior novidade seria o novo mês, chamado de Sol, encaixado entre junho e julho, além de um dia “solto” a cada quatro anos, que seria um feriado universal chamado “Dia do Ano”. Todos os outros feriados seriam movidos para uma segunda-feira, o que traria uma série de finais de semana de três dias para a humanidade. 

O modelo do calendário de 13 mesesO modelo do calendário de 13 mesesFonte:  George Eastman House 

Dessa forma, os dias do mês cairiam sempre no mesmo dia da semana. Quem nascesse em uma segunda-feira, nunca teria a chance de fazer a festa em um sábado por exemplo. O primeiro dia do ano seria sempre no domingo e o Natal sempre seria na quarta-feira. Todos os meses teriam sextas-feiras 13, provando que racionalidade não dá lugar a superstições. 

A nova divisão anual ganhou popularidade entre empresários de logística e transportes. O maior apoiador foi, sem dúvidas, o fundador da Kodak e pioneiro da fotografia, George Eastman, que aplicou a proposta na empresa entre 1924 e 1989. Durante esse período, os funcionários se dividiam entre o calendário gregoriano na vida pessoal e a proposta de Cotsworth no trabalho. 

O calendário usado na Kodak por vários anosO calendário usado na Kodak por vários anosFonte:  George Eastman House 

Apesar de não adotar os novos feriados e divisões mensais, a equipe da Kodak transformou o novo calendário em uma ferramenta organizacional para basear o planejamento de finanças e programação de produção. O ano foi dividido em 13 períodos, nomeados de período 1 a 13. 

Eastman se juntou a Cotsworth para divulgar a proposta de 13 meses pelos Estados Unidos e criou a sede da liga do calendário em Rochester, no escritório da Kodak. A iniciativa incluia imprimir folhetos explicativos com a nova divisão para distribuir para os futuros adeptos. 

Eles chegaram a apresentar a proposta no Congresso norte-americano, o que fez o assunto chegar até a Liga das Nações, precursora da Organização das Nações Unidas (ONU). A Liga estava analisando 185 diferentes projetos de calendário, e a proposta de 13 meses era uma das poucas finalistas.

Em 1929 a proposta avançava como uma solução para a modernidadeEm 1929 a proposta avançava como uma solução para a modernidadeFonte:  George Eastman House 

Em 1932 Moses B. Cotsworth faleceu e ainda não havia um consenso sobre o novo calendário. Entre muitas discussões e análises da Liga das Nações, o assunto se tornou menos urgente com a elevação das tensões que originaram a Segunda Guerra Mundial, que durou de 1939 a 1945. Desde então, há discussões entre o sistema métrico e o imperial, mas as datas foram deixadas de lado, para o bem dos feriados religiosos. 

Cupons de desconto TecMundo:

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Categorias


Comentários

Conteúdo disponível somente online
Como quase tivemos um calendário 'racional' com 13 meses