Menu

Explore por temas!

Bookmarks

Salve suas notícias e leia quando quiser.

Imagem de: Amazon testa pagamentos por biometria da palma das mãos
Avatar do autor

Por Julia Marinho

via nexperts

1 min de leitura

Amazon testa pagamentos por biometria da palma das mãos

Funcionários da Amazon estão servindo de cobaia para uma nova forma de pagamento a ser usada pelos usuários em compras na rede de supermercados Whole Foods: através de um leitor biométrico para a palma das mãos.

Os scanners seriam instalados em máquinas de venda automática de refrigerantes, salgadinhos e acessórios para dispositivos eletrônicos (como carregadores e fones de ouvido), entre outros. O sistema, codinome Orville, permitiria que clientes digitalizem suas mãos na loja e as vinculem ao seu cartão de crédito ou débito.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Para ser identificado, o usuário só precisaria aproximar a mão do sensor. A imagem é digitalizada e, então, a cobrança seria feita no sistema do cartão de crédito registrado. Os planos da empresa seriam introduzir a tecnologia em algumas filiais da Whole Foods até o início de 2020 e, então, expandi-la para toda a rede.

Fontes apostam que a recém-inaugurada 365, versão expressa e mais barata da Whole Foods, será a primeira a receber o novo sistema (Fonte: Getty/Patrick T. Fallon)

Privacidade em risco

Segundo a pesquisadora de ética em tecnologia Stephanie Hare, os clientes não deveriam ceder seus dados biométricos, principalmente porque o novo sistema, se implantado, será vinculado ao Amazon Prime. Isso significa que a empresa terá acesso a um fluxo de novas informações de milhares de consumidores por todo os EUA.

Se uma empresa é hackeada, pode levar meia década para que os consumidores consigam reverter as consequências

Isso deveria acender um alerta, já que a empresa fornece um software de reconhecimento facial para forças de segurança (que as usam com pouca supervisão da justiça, como o Departamento de Imigração), além de ter pressionado contra leis que proíbem a coleta, por empregadores, de dados biométricos de funcionários.

“Ninguém deveria abrir mão de seus dados de biometria. As pessoas parecem não entender o risco. Se uma empresa é hackeada, pode levar meia década para que os consumidores consigam reverter as consequências do roubo dessas informações”, diz ela.

Segundo um porta-voz da Amazon, "não comentamos rumores ou especulações".

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Categorias

Mercado Amazon Biometria

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Amazon testa pagamentos por biometria da palma das mãos