A Foxconn é uma das empresas mais conhecidas do mundo quando se fala em montadoras parceiras de grandes nomes da tecnologia. A empresa tem negócios com companhias como Nintendo e Samsung, mas é a Apple a sua grande aliada, sendo a Foxconn a responsável por dar vida a grande maioria dos produtos da Maçã.

E é justamente essa “dependência” da gigante de Cupertino que fez os lucros da Foxconn despencarem no último trimestre, caindo cerca de U$ 700 milhões, ou 40%, em relação ao mesmo período de 2016. Com os atrasos na produção do iPhone X, a empresa registrou o pior resultado na comparação anual em uma década.

Segundo reportagem do site Bloomberg, o grande problema aqui teria sido o problema em torno do Face ID, o novo método de desbloqueio do iPhone. As dificuldades encontradas pela Apple impediu que a Foxconn produzisse a quantidade esperada de iPhone X dentro de um certo período, resultado assim em uma diminuição milionária nos lucros da companhia.

E como a Foxconn passou os últimos meses se dedicando quase que exclusivamente ao modelo comemorativo aos 10 anos do smartphone da Apple, esse atraso foi significativo. Entretanto, os resultados revelados nesta semana não chegam a assustar os investidores, visto que uma retomada (também significativa) é aguarda para os próximos meses: a expectativa é que a Apple venda nada menos do que 80 milhões de unidades iPhone X até o final do ano.

Nesse ponto, a Foxconn pode se dar bem: como a produção do iPhone 8 e do iPhone 8 Plus ficou para outras empresas, a fabricante chinesa pode não sofrer com as devoluções e com a procura relativamente baixa pelos modelos mais básicos da nova família do iPhone. Em suma, se tudo correr como o esperado, é só esperar os próximos meses para contar as notas.