Menu

Explore por temas!

Bookmarks

Salve suas notícias e leia quando quiser.

Imagem de: Radar a laser do Inep registrou a nuvem de fuligem que enegreceu São Paulo
Avatar do autor

Por Julia Marinho

via nexperts

1 min de leitura

Radar a laser do Inep registrou a nuvem de fuligem que enegreceu São Paulo

Enquanto se discute se São Paulo ficou às escuras no meio da tarde por conta de uma frente fria ou por causa das queimadas, um radar de laser que permite o sensoriamento remoto ativo da atmosfera para a detecção de poluentes registrou, já no último domingo (18), uma nuvem comprida e densa (ou, como os pesquisadores chamam, uma pluma de material particulado) a mais de três mil metros de altitude. A observação foi feita por uma equipe do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) por meio do sistema LIDAR (Light Detection And Ranging, ou Detecção de Luz e Medição de Distâncias).

O funcionamento do sistema baseia-se na emissão de luz que as partículas presentes no ar refletem. A imagem é capturada por um telescópio e posteriormente analisada. Isso possibilita identificar o tipo de partícula e a distância da superfície em que ela se encontra.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Segundo o professor Eduardo Landulfo, há 20 anos trabalhando com o LIDAR, a pluma de poluição foi produzida por queimadas ocorridas nas regiões Centro-Oeste e Norte (entre Paraguai e Mato Grosso), abrangendo trechos da Bolívia, Mato Grosso do Sul e Rondônia.

A pluma de fuligem, vista de três mil metros de altitude, na madrugada do dia 19. (Fonte: Inep/Reprodução)

Chuva negra sobre São Paulo

"Os ventos fizeram o rio de fumaça vindo da região Norte se curvar em direção ao Sudeste. Além da fuligem,  monóxido e dióxido de carbono, ozônio, óxido nitroso e metano se juntaram às nuvens trazidas por uma frente fria, o que acabou formando o smog, mistura de fumaça e neblina", explicou o pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) Saulo Ribeiro de Freitas.

Uma equipe do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP) analisou a água negra da chuva que caiu no fim do domingo e confirmou a presença de reteno, substância considerada um marcador de queimadas.

Cupons de desconto TecMundo:

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Categorias

Ciência Sustentabilidade

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Radar a laser do Inep registrou a nuvem de fuligem que enegreceu São Paulo