Menu

Explore por temas!

Por Gabriela Pederneiras

1 min de leitura

Pesquisadores encontraram um “Chernobyl” no mar da Noruega

Pesquisadores da Noruega descobriram, no último dia 8, que um submarino russo naufragado desde 1989 está emitindo radioatividade 100.000 vezes maior do que o normal — em uma amostra chegou a ser registrado um nível 800.000 vezes mais elevado que o regular. Jornais russos já chamam o caso de “Chernobyl no mar”.

O submarino carregava duas ogivas e dois reatores nucleares, fonte do vazamento, quando sofreu um incêndio que o fez naufragar a uma alta profundidade no Mar de Barents. A região é conhecida pela prática da pesca — as medições e estudos apontaram que não existe risco atual de ingerir um peixe dessa região.

(Fonte: BBC/ Reprodução)

Consequências

O vazamento foi descoberto por conta da coleta de amostras próximas ao submarino. As taxas de radiação, então, foram comparadas com monitoramentos anteriores, chegando ao resultado de aumento substancial.

Encarregados da expedição disseram que não é necessário alarde, mas que o vazamento deve continuar a ser monitorado para evitar possíveis consequências mais graves. "Em geral, os níveis de césio no mar da Noruega são muito baixos, e como o naufrágio é tão profundo, a poluição do submarino é rapidamente diluída", explicam

Veja o vídeo feito pelo Instituto de Pesquisa Marinha da Noruega do submarino:

Cupons de desconto TecMundo:

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Fontes

El Mundo

Categorias

Segurança Ciência Segurança

Comentários

Conteúdo disponível somente online