Análise: Windows Phone 8

A mais nova versão do sistema operacional mobile da Microsoft mostra a sua força e prova que a empresa está disposta a brigar por uma fatia maior do mercado de smartphones.

A Microsoft demorou para entrar para valer no mercado de smartphones. Enquanto a Apple, com o iOS, e a Google, com o Android, praticamente dominaram todo o mercado em apenas cinco anos, a empresa de Redmond se mostrou receosa até o último momento em adotar o mesmo modelo e embarcar para valer na briga – algo que só foi acontecer no último trimestre do ano passado.

Recuperar os anos perdidos não será uma tarefa fácil, mas a Microsoft com o seu Windows Phone 8 parece ter feito direitinho a lição de casa, tendo desenvolvido um SO à altura das suas concorrentes e que tem grandes possibilidades de crescer junto aos consumidores.

Se levarmos em consideração que o Android está cada vez mais consolidado na liderança – pesquisas mais recentes mostram que o SO tem mais de 70% do mercado –, a briga da Microsoft, ao menos no momento, deve ser com a Apple, cujo iOS responde por 21%. Chegando aos 3%, o Windows Phone 8 corre contra o tempo, mantendo um crescimento constante, e pode se tornar também um gigante nos próximos anos.

Em nossa análise do Windows Phone 8 – vamos falar apenas das características do sistema operacional, nada de aparelhos – utilizamos como referência os modelos Nokia Lumia 920 e Nokia Lumia 620, uma opção de ponta e outra opção intermediária disponíveis para os consumidores brasileiros, para melhor avaliar o desempenho do SO.

Aprovado

Interface atrativa

A interface de um sistema operacional é um cartão de visitas que você carrega no bolso; afinal é por meio dela que você terá acesso a todos os aplicativos e funções do aparelho. Por conta disso, é fundamental que a sua utilização seja simples e intuitiva e que os recursos apresentados sejam suficientes para tudo o que você deseja. Além disso, se for possível personalizar essa experiência de uso, ainda melhor.

O Windows Phone 8 é aprovado com louvor em todos esses requisitos. A nova versão do SO possui uma transição fluida entre as telas, sendo fácil localizar ferramentas e aplicativos, bastando para isso deslizar suavemente a tela principal para a lateral. O visual é praticamente o mesmo do sistema operacional Windows 8, o que facilita a identificação por parte do usuário.

A utilização das Live Tiles customizáveis é outro diferencial, uma vez que é possível escolher entre três tamanhos, moldando a tela inicial da maneira mais conveniente para você. Além disso, em cada uma das tiles o conteúdo exibido se mostra de forma dinâmica, poupando tempo do usuário na hora de conferir atualizações em rede sociais ou apps preferidos.

Controle sobre o hardware

Um dos pontos mais interessantes do Windows Phone 8 é o fato de que a Microsoft tem controle total sobre o hardware. As empresas parceiras que quiserem lançar um smartphone com o sistema operacional, por exemplo, precisam seguir alguns pré-requisitos mínimos de configuração – o que garante que todos os aparelhos tenham um desempenho satisfatório.

Esse padrão mínimo de qualidade faz com que a estratégia da Microsoft se aproxime bastante da adotada pela Apple. Se por um lado essa é uma garantia para o consumidor, por outro pode dificultar a estratégia da empresa em massificar o seu produto junto ao público, como acontece com o Android. Essa característica, por exemplo, pode fazer com que dificilmente vejamos modelos “de entrada” com Windows Phone 8, na faixa entre R$ 300 e R$ 400.

Entretanto, ao menos com relação ao desempenho, o consumidor não terá do que reclamar e, ao adquirir um produto com o SO da companhia – seja ele um modelo top de linha ou um smartphone intermediário –, certamente será possível rodar todos os jogos e programas disponíveis na loja de aplicativos.

Word Flow: correção contextual

O teclado virtual é também um aspecto importante de um sistema operacional. Afinal, é por meio dele que você fará boa parte das interações com o produto e um desempenho agradável é a garantia de que você não vai se estressar com ele no uso cotidiano. Neste quesito, o Windows Phone 8 também se sai muito bem.

As teclas são espaçadas e a resposta aos toques – o efeito haptic – é precisa e compreensível para o usuário. Além disso, o SO conta com um recurso chamado Word Flow, que permite a correção de palavras não apenas a partir de erros de digitação, mas também levando em consideração o contexto do conteúdo – o que diminui os termos estranhos em meio às suas frases.

Por fim, se você não gostar daquilo que a Microsoft propõe, há diversos apps na loja de aplicativos que permitem acrescentar novas características do teclado, incluindo até mesmo o recurso swype, que já está consagrado entre os usuários do Android. Contudo, não é possível substituir o sistema do teclado.

Um Office completo no seu smartphone

O pacote de aplicativos Office sempre foi um dos principais triunfos nos desktops e notebooks. A suíte que reúne programas essenciais como Word e Excel é hoje uma das principais responsáveis pelo sucesso do Windows e, por conta disso, nada mais natural do que fazer a mesma aposta na sua linha de smartphones.

A integração com a versão tradicional do Office é perfeita. Editar um texto no computador e abri-lo de imediato no smartphone é uma tarefa simples, fácil de ser feita e que não resulta em perdas para o usuário. O recurso Office 365, que funciona como uma espécie de Google Docs, permitindo a edição de textos online, também é de grande valia.

Integração completa e espaço virtual

Não é apenas o pacote Office que proporciona uma integração perfeita entre o smartphone e os desktops. Há diversos recursos que permitem compartilhar conteúdo nas redes sociais, acessar contas de email e até mesmo criar grupos específicos de usuários para compartilhamento de conteúdo, as chamadas “Rooms”.

Aplicativos de agenda podem ser facilmente vinculados a contas de email, bem como é possível criar chat entre diversos usuários – ainda que eles não possuam aparelhos com o mesmo sistema operacional. Independente do aparelho que você adquira, o recurso Skydrive permite armazenar até 7 GB de conteúdo na nuvem de forma completamente gratuita.

Espaço da criança

Se você está planejando comprar um smartphone para o seu filho, mas está preocupado com os possíveis conteúdos a que ele pode ter acesso, saiba que os aparelhos com Windows Phone 8 possuem um recurso chamado “Kid’s Corner”, “Espaço da Criança” na versão em português.

Com ele, é possível determinar exatamente quais funções do aparelho estarão disponíveis ou não. Você pode bloquear, por exemplo, o download de novos apps, o download de apps cuja faixa etária seja mais alta que a idade do seu filho, acesso à internet ou aplicativo de compras, entre outras funcionalidades.

Xbox Live: sua central de entretenimento

Reunir todas as opções de entretenimento em um só lugar também foi uma ótima escolha por parte da Microsoft. A Xbox Live permite acesso direto a músicas, filmes e jogos, sendo completamente integrada ao sistema original do console Xbox 360. Assim, além de visualizar o que já está disponível no console, é possível utilizar uma conta única.

A organização do conteúdo é outro ponto positivo e se torna uma tarefa fácil encontrar os jogos disponíveis na loja virtual. Como mencionamos, a garantia de um desempenho com qualidade mínima faz com que praticamente não existam limitações, sendo possível jogar todos os games, ainda que em alguns caso a qualidade gráfica seja reduzida.

NFC e sistemas de pagamento

Infelizmente, ainda há pouquíssimas opções de uso do NFC e dos sistemas de pagamento via celular disponíveis no Brasil. Dessa forma, não foi possível testar a qualidade do recurso nem as possibilidades que ele abre para os usuários.

Entretanto, ainda assim, podemos classificar essa característica como sendo positiva, pois mostra que o celular está preparado para o desenvolvimento desta que é uma tendência forte no mercado, fazendo com que o tempo de obsolescência programada do produto seja maior e garantindo um produto mais duradouro nas mãos do consumidor.

Internet Explorer: versão mobile

No mercado de desktops, o Internet Explorer deixou de ser o líder já há um bom tempo. O navegador da Microsoft foi superado pelo Google Chrome e, mesmo apresentando melhoras contínuas em suas versões mais recentes, ainda parece estar longe de recuperar o prestígio que teve em outros momentos.

A versão mobile do IE, por outro lado, se comporta extremamente bem. O desempenho é satisfatório e sem engasgos, mesmo em aparelhos com menor capacidade de processamento. É possível, por exemplo, abrir entre seis e oito abas de forma simultânea sem que isso prejudique de maneira considerável a velocidade de carregamento das páginas.

Assim como no iOS, o navegador é incompatível com aplicativos em Flash e Silverlight, uma tendência nos browsers mobile e que não deve apresentar maiores problemas. Com a presença cada vez mais constante das aplicações em HTML5, a tendência é que esse tipo de compatibilidade deixe mesmo de ser necessária.

Windows 8 e Windows Phone 8: ótima integração

A busca da integração entre o sistema operacional convencional e a versão disponível para smartphones e tablets tem sido um desafio constante para as empresas. Até então, quem havia chegado mais perto de oferecer essa experiência para o usuário era a Apple, com o ecossistema integrado entre iPhone, iPad e iPod Touch e sua linha de Macbooks e iMacs.

Entretanto, a integração proposta pela Microsoft, ao menos nesse momento, parece mais eficiente. As interfaces do Windows 8 e do Windows Phone 8 são muito similares, o que facilita a adaptação imediata aos novos recursos. Além disso, muitas das funções são sincronizadas de imediato – o que garante que um trabalho não terminado no desktop, muitas vezes, possa ser continuado no smartphone.

A adoção das telas touch nos modelos de ultrabook é outro fator que pode contribuir para que a experiência dos usuários seja aprimorada. Como o Windows 8 é a evolução natural do sistema operacional mais usado em escala comercial, é natural que muitos transfiram a experiência de uso do dia a dia para o celular e, nesse ponto, o Windows Phone 8 leva vantagem.

Reprovado

Voice Transcription

Enquanto Android e iOS possuem recursos avançados para comandos de voz, o Windows Phone 8 apresenta um recurso básico chamado Voice Transcription, disponível inclusive em português, que permite localizar funções do smartphone e contatos na agenda. Se por um lado a compatibilidade com o nosso idioma é um ponto positivo, por outro as possibilidades limitadas tornam o recurso praticamente dispensável.

Certamente, para o futuro, a Microsoft precisará trabalhar melhor os recursos ligados a funções como essa. Tanto a Google quanto a Apple apostaram pesado em seus auxiliares de voz, abrindo uma grande dianteira sobre a empresa de Redmond. Nesse segmento, infelizmente, ela terá que correr atrás e melhorar muito.

Mapas precisam melhorar

O aplicativo Mapas se tornou um dos grandes problemas da Apple a partir do seu lançamento. Lento, com imagens que demoravam a carregar e visualizações distorcidas, o app chegou a envergonhar a empresa da Maçã, que precisou vir a público fazer um pedido de desculpas aos seus consumidores.

O Bing Mapas não chega a ser tão ruim como era o aplicativo da Apple no seu lançamento. Entretanto, se comparado ao Google Maps, ele ainda deixa muito a desejar. A localização de certos pontos no mapa, em especial de ruas menores e pouco conhecidas, por vezes se mostra falha.

A resolução das imagens, quando aproximadas, é baixa e dificulta a visualização de pontos-chave de algumas cidades – como Curitiba, a utilizada em nossos testes. Mesmo com problemas como esse, há que se ressaltar que a possibilidade de utilizar os mapas offline é certamente um excelente recurso e que pode salvar o dia daqueles que estão fora de sua cidade de origem e precisam usar um mapa para chegar a um determinado local.

Ainda tem menos apps que os concorrentes

Não se trata de quem é melhor ou quem é pior, mas não há como negar o fato de que o Windows Phone 8 ainda tem menos aplicativos que os concorrentes Android e iOS. A situação está mudando aos poucos e o número de aplicativos para Windows Phone 8 está crescendo; contudo, ainda assim, a plataforma da Microsoft não tem a atenção total dos desenvolvedores.

Por conta do maior número de usuários de iOS e Android, muitos programadores ainda preferem fazer primeiro as versões para esses dois sistemas, deixando o Windows Phone 8 em segundo plano. Essa espera faz com que muitos aplicativos cheguem com um certo atraso, o que infelizmente é um ponto negativo.

Na maioria dos casos já há aplicativos similares, capazes de desempenhar funções parecidas. Contudo, a situação está longe de colocar, ao menos nesta categoria, os três SOs em pé de igualdade. Para deixar isso em termos práticos, listamos os cinco aplicativos pagos e os cinco aplicativos gratuitos mais populares de cada uma das lojas de aplicativos.

Excluindo-se os coincidentes, chegamos a um total de 27 programas. Desses, na Play Store, da Google, encontramos 22 apps, o melhor índice entre todas as plataformas. A App Store, da Apple, encontrou 21 deles, enquanto a Windows Phone Store, da Microsoft, encontrou apenas 12 programas. A maior lacuna, ao menos por enquanto, acaba sendo com relação aos jogos.

Isso não significa que você não vá encontrar conteúdo algum na Windows Phone Store, muito pelo contrário. A loja conta hoje com cerca de 120 mil aplicativos – quantidade mais do que suficiente para qualquer usuário. Entretanto, a impossibilidade de jogar alguns títulos pode deixar alguns consumidores decepcionados.

Vale a pena?

Não há como negar que o lançamento do Windows Phone 8 é um grande avanço para a Microsoft. Em apenas uma geração, a empresa conseguiu se colocar em pé de igualdade com as duas principais potências do mercado atual. Em números, Android e iOS juntos representam mais de 90% do mercado, contra apenas 3% do SO da Microsoft.

Essa característica ainda pesa na hora de os desenvolvedores decidirem com qual SO vão trabalhar primeiro, o que acaba resultando em atrasos na chegada dos mesmos projetos para o Windows Phone 8. Com exceção dessa característica – que tende a ser provisória, vale ressaltar – é inegável que hoje a Microsoft tem uma carta na manga tão importante quanto a que os seus concorrentes carregam.

O Windows Phone 8 é estável e sem travamentos, mesmo quando executado em aparelhos cujo poder de processamento é menor. O fato de a Microsoft impor um padrão mínimo de qualidade para que os produtos cheguem ao mercado pode não resultar em um volume expressivo de aparelhos vendidos, mas certamente reflete um produto com garantia de melhor desempenho.

Para quem busca produtividade, a integração com as redes sociais, bem como a disponibilidade das ferramentas da suíte Office, promete facilitar bastante o trabalho, tornando o smartphone de fato uma extensão do computador. A interface customizável também se torna agradável com o passar do tempo, garantindo um modelo “único” e adequado às necessidades de cada consumidor.

Apostando na qualidade, a Microsoft tem tudo para, nos próximos dois anos, reforçar o seu nome no mercado de smartphones e abocanhar uma fatia maior do bolo no que diz respeito ao número de usuários. Um maior número de aparelhos no mercado, e outros fabricantes interessados em adotar o SO devem ajudar bastante. Resta saber se os consumidores vão comprar a ideia e fazer com que o Windows Phone decole no mercado.


RECOMENDAMOS PARA VOCÊ


RELACIONADOS
COMENTÁRIOS
NOVAS
TOPO DA PÁGINAVER SITE COMPLETO