Embora a expectativa fosse de que os detalhes do dispositivo só seriam revelados oficialmente nesta terça-feira (14), a TAG Heuer parece ter se adiantado um pouco à sua própria agenda e acabou liberando ontem mesmo (13) algumas informações bem interessantes sobre o seu próximo smartwatch. Os destaques desse pacote de novidades são o nome definitivo do gadget e o fato de que o relógio inteligente – criado em parceria com a Intel – vai ser quase que totalmente customizável.

Batizado de TAG Heuer Connected Modular 45, o aparelho deixa clara boa parte de suas características e recursos. Para começar, o brinquedinho realmente é o sucessor direto do Connected original, apresenta uma carcaça redonda de 45 milímetros e oferece funções modulares bem diferentes da concorrência. Isso porque, além de ser possível trocar itens como pulseiras, coroa e boa área da estrutura externa do produto, também dá para substituir as peças eletrônicas por uma versão totalmente mecânica e oldschool.

O mais bacana é que o consumidor vai ter à sua disposição uma infinidade de acessórios e materiais para incrementar o visual do seu exemplar do relógio, podendo deixá-lo com uma cara mais esportiva ou substituindo peças para fazer com que o gadget assuma um jeitão mais elegante ou premium. Couro, cerâmica, alumínio, titânio, diamante e ouro são apenas alguns dos elementos que a TAG Heuer pretende disponibilizar para seus clientes nessa jornada pela criação de um smartwatch único.

Abriu a porteira? Então toma mais!

Depois do pequeno escorregão, a fabricante resolveu liberar o restante das informações pelas vias oficiais, resultando em uma avalanche de fotos, vídeos e especificações do vestível. O processador do Connected Modular 45, por exemplo, será da família Intel Atom Z34XX e trará um sistema sofisticado de eficiência energética, rendendo uma autonomia de cerca de 30 horas ao dispositivo. A fabricante de CPUs também será responsável por adicionar sua própria solução de assistente pessoal ao kit, mas ainda não há mais dados a respeito desse software.

O novo equipamento da TAG Heuer vai contar com um display AMOLED de 1,39 polegada

Por falar nisso, o sistema operacional do relógio inteligente será realmente o Android Wear 2.0, que deverá ter a sua performance e experiências ampliadas graças ao restante do hardware do projeto. Além do chip da Intel, o novo equipamento da TAG Heuer vai contar com um display AMOLED de 1,39 polegada, 4 GB de memória RAM, WiFi, GPS, resistência a água a uma profundidade de até 50 metros e NFC – para dar suporte ao Android Pay. Infelizmente, recursos como monitoramento cardíaco e 4G ficam de fora do kit desta vez.

Vale notar que a suposta versão feminina do gadget – que traria medidas mais enxutas e uma pulseira menor – também foi descartada do projeto. Sobra, assim, um smartwatch pouco mais grosso que o Apple Watch, mas com medidas interessantes o bastante para que quase qualquer um possa usá-lo sem muitos problemas. O preço da tecnologia e do luxo? Nada menos que US$ 1.650 (R$ 5,2 mil) em sua versão mais básica, um valor que pode ser aumentado ou multiplicado várias vezes dependendo das suas escolhas de personalização.

Com isso, a TAG Heuer mais uma vez encabeça a lista dos relógios inteligentes mais caros e poderosos com o sistema da Google. E aí, pretende gastar todo o resgate do FGTS em um brinquedinho desses?