"Algo mudou — como a globalização que evoluiu, o debate político está tomando lugar em um novo ambiente de mídia. As opiniões não são mais formadas da maneira que eram há 25 anos", disse Angela Merkel, a chanceler da Alemanha. "Hoje existem trolls, bots e sites falsos — coisas que se regeram, reforçam opiniões com certos algoritmos e nós precisamos aprender a lidar com eles".

A declaração, obtida pela AFP, indica que a atual chanceler da Alemanha está preocupada com os rumos das próximas eleições no país, que serão realizadas em 2017. Merkel comentou que as notícias falsas andam "manipulando" a opinião pública online; ela ainda notou que os legisladores devem "confrontar esse fenômeno e, se necessário, regulamentá-lo".

Apesar do partido de Merkel ter força maior entre a população, o partido de extrema-direita AfD tem mais poder no Facebook

O Facebook, recentemente, comentou que vai voltar a combater agressivamente as notícias falsas. O intuito é limitar o compartilhamento de informações erradas dentro da rede social.

Sobre as eleições alemãs, o partido de centro-direita de Angela Merkel deve ganhar. Porém, o partido Alternative for Germany (AfD), de extrema-direita, ganhou algum "momento" após a decisão de Merkel de abrir as portas para refugiados. O ponto assustador, segundo a Reuters, é que a apesar do partido de Merkel ter força maior entre a população, o partido de extrema-direita AfD tem mais poder dentro das redes sociais.

Em sua página no Facebook, o AfD costuma compartilhar notícias do Breitbart News, uma plataforma de extrema-direita também conhecida por publicar artigos sexistas, xenofóbicos e até racistas — e o mundo fica preocupado, principalmente por causa do histórico da Alemanha.