Quase metade da população mundial estará online até o final deste ano. É o que diz um relatório da União Internacional de Telecomunicações da Organização das Nações Unidas, divulgado nesta terça-feira (22) e reportado pela agência Reuters.

O problema é que esse número está concentrado nos países ricos, onde 80% têm acesso à uma conexão com a internet. Nos países em desenvolvimento, como o Brasil, esse número cai para 40% e chega a ser de apenas 15% nos países menos desenvolvidos.

Ainda de acordo com o relatório, a população que não está conectada tem um perfil bem definido: são mulheres, idosas, pobres, com pouco acesso à educação e vivendo principalmente em zonas rurais.

O atraso é grande

Para a ONU, o custo dos serviços e a falta de infraestrutura para os consumidores que moram fora dos grandes centros urbanos são os principais responsáveis por esse número baixo, além do alto preço dos smartphones, que acabou virando a porta de entrada da internet para muitas pessoas.

No Brasil, cerca de 102 milhões de pessoas estão conectadas, de acordo com a pesquisa TIC Domicílios, divulgada em setembro. Os dados do IBGE mostram que, desde 2014, mais de metade das residências brasileiras têm acesso à rede.

Segundo o relatório, os níveis atuais de penetração da internet em países menos desenvolvidos é o mesmo que os países mais ricos tinham há 20 anos. A meta da ONU é de que 60% da população esteja online até o final de 2020.