O que você precisa saber para montar um computador no segundo semestre de 2011

Separamos algumas dicas para você escolher certo ou aguardar por novidades que vão aparecer na segunda metade do ano.

Metade do ano se passou. Nesse tempo, a informática fez grandes avanços. Uma configuração planejada no primeiro semestre já não faz muito sentido agora, tanto pelo preço quanto pelo desempenho. Com isso em mente, o Tecmundo vai dar algumas dicas para você escolher certo na hora de montar seu novo computador.

Quando falamos em montar um PC, a máquina ideal não existe, afinal, o investimento e os propósitos de cada usuário é que vão definir a configuração perfeita. E considerando os atuais componentes, uma configuração de baixíssimo valor já satisfaz usuários que pretendem trabalhar com aplicativos simples.

Propósito do artigo

Hoje, vamos abordar alguns aspectos importantes dos principais componentes, assim você pode fazer a escolha certa e adquirir um computador adequado às suas necessidades. A maior parte deste artigo é destinada para usuários que pretendem montar uma configuração, pois na hora de comprar PCs de marcas conhecidas (como HP, Positivo, Space BR), não há muitas chances de escolha.

Considerando a realidade brasileira, sempre devemos lembrar que temos um orçamento limitado. Sendo assim, nossas dicas não serão focadas nos componentes mais potentes do mercado. Até porque citar os componentes mais “fortes” e relatar que eles rodam qualquer aplicativo é uma ideia um tanto quanto óbvia. Assim, separamos alguns aspectos importantes a serem observados na hora da compra.

Processador: barato e adequado

Optar pelo processador mais potente está fora de cogitação, pois não existe necessidade de utilizar o modelo mais avançando para realizar quaisquer tarefas. Todos os aplicativos que você imaginar vão funcionar perfeitamente em CPUs de dois, três, quatro e seis núcleos.

Basicamente, a diferença que existe está no tempo em que uma mesma tarefa é realizada. Isso significa que um modelo de dois núcleos pode demorar um pouco mais para processar do que outro de quatro núcleos, no entanto, ele vai processar os dados de qualquer forma. Considerando que existem muitos modelos, separamos nossas dicas em três partes. As primeiras recomendações são para usuários que pretendem ter um PC de alto desempenho.

Jogos e desempenho

O processador não é peça fundamental na hora de executar games. Ainda que seja necessário um modelo que trabalhe em alta frequência, não existe a obrigatoriedade de adquirir um produto top de linha. Nossa dica é optar por um modelo razoável (de dois ou quatro núcleos) para jogos e edição de vídeo. Confira alguns processadores para esses tipos de tarefas:

(Fonte da imagem: Divulgação/AMD)

Tarefas do cotidiano

Montar um computar para tarefas básicas é mais fácil. Nossa recomendação é comprar um processador bem simples, com apenas dois núcleos (desde que ele seja recente). Afinal, não adianta optar por um modelo com 100 ou 200 MHz a mais para usar a internet ou assistir a vídeos em alta definição — o ganho de desempenho será mínimo. Veja algumas CPUs recomendadas:

(Fonte da imagem: Divulgação/Intel)

Nota: a indicação de um processador “recente” é justamente por conta dos demais componentes que vão interagir com ele. Assim, se você não pensa em USB 3.0, SATA 3 e outros novos padrões, comprar um modelo “ultrapassado” (que não significa inferior) pode ser válido e muito vantajoso. Lembramos que modelos como o Intel Core2Duo e o AMD Athlon X2 apresentam excelente desempenho e são opções viáveis, visto a robustez e o preço deles.

Quero o máximo

Talvez você não se encaixe nem na classe de usuários comuns, nem na de jogadores. Assim, você possivelmente deseja o máximo de poder (algo como um Intel Core i7 ou um AMD Phenom II X6). Comprar processadores de seis núcleos pode ser um verdadeiro desperdício de dinheiro, principalmente porque não há tarefas que requisitem tanto poder — ainda mais se você usa o PC apenas para rodar programas simples. Repetindo: um dual-core de alta frequência já é suficiente para executar os games mais recentes.

No caso de modelos da Intel, a dica é optar pelos Intel Core i de segunda geração. Todavia, se o objetivo é montar um PC com processador AMD, pode ser interessante esperar alguns meses e adquirir uma CPU da Serie A (Llano) ou Serie FX (Bulldozer) — as quais já estão aparecendo lá fora e chegam em breve ao Brasil.

Placa-mãe: portas e expansão

Apesar de você já ter definido a CPU que irá instalar em sua máquina, isso não significa que será fácil escolher uma placa-mãe. Aliás, considerando a enorme gama de placas que existem para um mesmo processador, essa decisão pode ser a mais difícil. Ao escolher a placa-mãe, automaticamente você estará definindo quais outros componentes poderão ser instalados.

A dica básica para comprar uma placa-mãe é pensar no que você pretende fazer com o PC. Tendo isso em mente, basta investigar quais modelos fornecem as portas que você precisa e se existem slots para a instalação de placas extras — no caso de você pensar em expandir o desempenho da máquina.

O máximo em tecnologia

Caso você seja um usuário que pensa em manter seu PC sempre atualizado, optar por uma placa-mãe com DDR3, USB 3.0 e SATA 3 é a única solução. Contudo, não é porque você pensa em comprar uma placa com tais tecnologias que isso implica necessariamente um alto investimento.

Existem muitas placas com essas tecnologias por valores razoáveis, e que de quebra podem durar muitos anos, visto que trazem tecnologias avançadas. O preço também depende da marca, do chipset e de outros detalhes. Contudo, se você procura montar um PC para jogos, por exemplo, não existe a necessidade de escolher uma placa-mãe ASUS Crosshair ou Maximus.

(Fonte da imagem: Divulgação/ASUS)

Optar por uma ASUS pode ser uma excelente ideia, visto que os produtos da fabricante são de qualidade e sempre apresentam ótimos resultados com jogos. Entretanto, existem muitos modelos da fabricante que servirão para jogos, ainda que não suportem SLI, CrossFireX ou DDR3 de 2000 MHz — recursos importantes apenas para entusiastas. A mesma dica é válida para outras fabricantes, como a ECS, a MSI, a Gigabyte e outras.

Satisfação com o básico

Usuários que pretendem montar um computador para acessar a internet e realizar tarefas mais simples não precisam nem se preocupar com tecnologias mais recentes. A dica aqui é ao menos optar por uma placa com DDR3 (dois slots já são suficientes). Tecnologias como USB 3.0 e SATA 3 são dispensáveis, afinal, é bem provável que você não tenha nenhum produto com o padrão USB 3.0, tampouco vá comprar um disco do tipo SATA 3.

(Fonte da imagem: Divulgação/MSI)

Outra recomendação é comprar uma placa-mãe que tenha uma boa placa de vídeo onboard — uma Radeon HD4200 já é suficiente. Com uma GPU dessas é possível reproduzir vídeos em alta definição e executar alguns jogos em configurações mínimas.

Nota: ainda que você compre uma placa-mãe simples, é quase certo que ela trará suporte para placas gráficas PCI Express de última geração. Isso garante que você tenha a opção de fazer uma atualização no PC, caso pretenda rodar jogos com qualidade aprimorada.

Placa de vídeo: gráficos bonitos sem doer no bolso

Quando falam que os jogos de computador têm gráficos com melhor qualidade, pode acreditar, essa é a pura verdade. Isso ocorre porque os PCs podem contar com placas gráficas de última geração. As GPUs são as responsáveis por realizar todo o trabalho pesado dos games, por isso elas custam tanto.

Alta qualidade

Os jogos mais recentes são pesados até mesmo para as placas de vídeo mais potentes. Sendo assim, rodar jogos com todos os filtros ativados, com a melhor qualidade e em resoluções altíssimas pode ser uma tarefa difícil para uma única placa gráfica. Todavia, como estamos considerando configurações de orçamento cabíveis aos nossos bolsos, a dica é optar por uma placa forte, mas não necessariamente a top de linha.

Isso significa bem o que você está pensando. Optar por uma placa gráfica como uma AMD Radeon HD 6990 ou uma NVIDIA GTX 590 pode ser um erro fatídico, ainda mais que ambas custam absurdos. Claro, ter uma dessas placas significa tranquilidade em games por um ou dois anos. Todavia, os preços (a placa da AMD custa aproximadamente 2,1 mil reais, já a da NVIDIA chega perto de 2,3 mil reais) equivalem a uma configuração completa.

Nossa dica é optar por um modelo intermediário, o qual permita rodar os jogos em alta qualidade, mas não necessariamente com filtros e demais configurações no máximo. Algumas placas que têm preço razoável e desempenho excelente:

(Fonte da imagem: Divulgação/Sapphire)

Potente para rodar qualquer jogo

Talvez seu orçamento não permita o investimento de 500 reais numa placa. Se esse for o caso, ainda é possível rodar qualquer jogo com placas mais modestas. As configurações de qualidade nos games precisarão ser reduzidas, contudo, a maioria dos jogos mais recentes pode ser executada sem grandes problemas. Veja alguns modelos de placas mais básicas:

(Fonte da imagem: Divulgação/ASUS)

Esperar pode ser uma ótima ideia

Caso você queira adquirir uma placa para durar mais, talvez o momento não seja propício para a compra de uma placa gráfica. Ocorre que a AMD deve lançar as placas da série AMD Radeon HD 7000 até o fim do ano. Com isso, investir numa placa agora pode ser uma furada, ainda mais se o objetivo é adquirir uma placa de alto desempenho.

As especificações e modelos que serão lançados ainda não foram revelados, porém, como de praxe, a fabricante deve efetuar algumas melhorias na próxima geração. E claro, se a AMD lançar a nova linha de placas antes da concorrente, podemos esperar um lançamento da NVIDIA já para o primeiro ou segundo trimestre. Assim, caso você queira estar sempre atualizado, pode ser interessante adquirir uma placa de vídeo básica agora e depois comprar uma das novas séries.

Gabinete espaçoso

Agora que você já definiu qual placa-mãe e placa de vídeo vai utilizar, está na hora de escolher um gabinete para comportar todos os componentes. Poderíamos nos estender e falar muito sobre os diversos tipos de gabinetes e configurações a serem observadas. No entanto, existem apenas duas dicas a serem seguidas.

A primeira é que você deve optar por um gabinete com excelente sistema de ventilação. Caso seu orçamento não comporte um modelo que já traga ventoinhas, é válido adquirir um gabinete simples e adicionar alguns coolers para melhorar a refrigeração dos componentes. Produtos mais robustos trazem até três ventoinhas (atrás, na frente e na tampa), porém, com duas ventoinhas, sua máquina já estará bem refrigerada.

(Fonte da imagem: Divulgação/Cooler Master)

A segunda é atentar para o tipo de gabinete. O ideal é adquirir um modelo que já comporte a instalação da fonte na parte inferior. Porém, se não for possível, um gabinete bem ventilado não deve gerar problemas para o PC. Quanto aos demais detalhes (janela lateral, pintura, portas USB na frente, quantidade de baias, entre outros), fica por sua conta definir quais deles são essenciais para seu computador.

Memória RAM: modelos rápidos de excelentes marcas

Adquirir módulos de memória RAM com os clocks mais elevados pode não ser a melhor ideia. De nada adianta optar por memórias que operem a 2.400 MHz se você vai usar no máximo o Photoshop ou rodar jogos. E caso você pense em usar somente o navegador e um player de músicas, a recomendação é justamente se afastar de produtos tão velozes.

Claro, memórias desse padrão não deixam o computador lento, muito menos decepcionam no quesito desempenho. Entretanto, não existe razão para comprar módulos tão avançados, afinal, em nenhuma tarefa haverá um ganho significativo que justifique o gasto.

DDR3 para tarefas básicas

É bem provável que a placa-mãe que você escolheu já suporte memórias do tipo DDR3. Caso não suporte, recomendamos que faça outra escolha, pois nossa dica é usar memórias desse padrão até mesmo para as tarefas mais básicas. A velocidade proporcionada por esse padrão é vantajosa, até com as memórias de frequência mais baixa. Quanto ao tamanho, 2 GB de memória é mais do que suficiente.

Nossa dica também tem fundamento no quesito preço. Como o padrão DDR3 está dominando o mercado, a tendência é de que os módulos DDR2 desapareçam logo. Os preços do DDR2 não serão muito interessantes em um momento próximo. Isso sem contar que placas-mãe com suporte para DDR2 estão defasadas.

Maior frequência e menores latências para jogos

Jogadores não têm muitas escolhas, ao menos na questão de frequência. A dica é escolher a memória mais “rápida” (com o clock mais elevado) que seu orçamento permitir. Módulos DDR3 com frequência de 1.600 MHz já são mais do que suficientes.

No entanto, caso sua placa-mãe suporte trabalhar com componentes que operam a 2.000 MHz, talvez não seja uma má ideia escolher peças com essa característica. Vale frisar que não é preciso mais do que 4 GB de memória RAM, porém, se você desejar adquirir 8 GB, não será um investimento em vão, visto que o PC pode durar mais algum tempo.

(Fonte da imagem: Divulgação/Corsair)

Evidentemente, como já foi dito, a placa de vídeo é quem dita quase tudo nos jogos. Assim, se você utilizar uma memória DDR3 de 1.333 MHz, pode ser que os jogos funcionem muito bem. Tudo depende da configuração definida no game e também do título que está sendo executado. Quando o assunto é jogos, a ideia de buscar módulos com baixas latências é interessante. Contudo, o preço de memórias com tal característica é muito alto, portanto, nem sempre é compensador.

Armazenamento: esqueça os SSDs

Enquanto o mercado americano transborda de “ofertas” de SSDs, no Brasil a realidade é outra. Aqui os SSDs não são acessíveis e de maneira alguma são compensadores para uma configuração duradoura. Nossa dica é optar por um disco SATA 2 de alta capacidade. Não é preciso exagerar e adquirir um disco com 2 TB. Contudo, 750 GB ou 1 TB podem ser modelos interessantes.

Os preços dos HDs SATA 2 estão excelentes e a tendência é que diminuam cada vez mais. Isso deve ocorrer porque o SATA 3 está chegando com tudo. Não indicamos a aquisição de discos da terceira geração do padrão SATA, pois eles ainda estão muito caros e o valor investido ainda não compensa o desempenho ganho.

5.400 RPM para o cotidiano

Usuários que pretendem usar um sistema apenas para internet não precisam mais do que um disco de 500 GB que opere a 5.400 RPM. Algumas fabricantes, como a Western Digital, possuem linhas especiais denominadas como “Green”. Produtos desse tipo consomem menos energia, trabalham a 5.400 RPM, possuem alta quantidade de memória buffer e estão disponíveis em diversas opções de espaço para armazenamento.

(Fonte da imagem: Divulgação/Western Digital)

Para quem pretende armazenar filmes em alta definição e uma quantidade muito grande de músicas, um disco de 1 TB já pode ser válido, visto que a diferença do preço por Gigabyte é compensadora. A marca do disco fica a seu critério, mas as mais conhecidas são Seagate, Western Digital e Samsung.

O mais rápido possível para jogos

Apesar de alguns modelos SSD já estarem disponíveis por cerca de 350 reais, a relação custo/benefício ainda não é agradável. Assim, mesmo que a ideia de configurar um SSD menor para rodar o sistema seja tentadora, nossa sugestão é comprar um HD SATA 3 de altíssima velocidade para comportar tanto o sistema quanto jogos.

A recomendação é optar por um SATA 3 de 7.200 RPM, porque o disco rígido é o componente que faz os carregamentos dos jogos aumentarem. Talvez durante as partidas não seja possível notar nenhum tipo de travamento, mas optar por um disco de 5.400 RPM, por exemplo, pode aumentar significativamente o tempo de “loading” durante as fases.

(Fonte da imagem: Divulgação/Seagate)

Também é válida a ideia de usar múltiplos discos em configuração RAID, entretanto, salientamos que o gasto pode aumentar significativamente. Além disso, é importante lembrar que a placa-mãe escolhida deverá ter suporte para esse tipo de configuração.

Fontes: marca confiável e PFC ativo

Estamos quase no fim da configuração. Você provavelmente já deve estar cansado de ler, pesquisar e pensar sobre tantos componentes. Entretanto, não desanime neste momento. Toda a redução de custos feita na configuração da máquina será útil agora. Quando o assunto é energia, é importante escolher uma fonte de qualidade; a economia é um fator a ser deixado de lado.

Preciso economizar

Para usuários comuns (que optaram por componentes de baixo desempenho), uma fonte de 350 W ou 400 W reais já é suficiente. Ainda que você escolha uma fonte com PFC ativo, ventoinha de tamanho avantajado e com muitos conectores, a economia está garantida. Produtos com essa potência estão custando muito pouco e com certeza vão garantir energia de sobra para seu PC.

Jogos turbinados

A escolha de uma fonte para jogos é muito relativa. Tudo depende dos componentes que fazem parte da configuração. Processadores de seis núcleos, por exemplo, consome mais energia do que modelos com apenas dois núcleos. No entanto, não importa muito toda a configuração, mas apenas a placa de vídeo. Algumas marcas confiáveis são: Zalman, Corsair, Thermaltake e outras.

(Fonte da imagem: Divulgação/Zalman)

Placas de vídeo podem consumir facilmente 200 W, o que obriga o usuário a optar por uma fonte de 500 W ou 600 W. Enfim, a menos que você tenha feito uma configuração em SLI ou CrossFireX, comprar uma fonte de 750 W pode ser um grande desperdício de dinheiro, pois o consumo de energia do seu PC jamais chegará a tal patamar.

O monitor perfeito

Algumas dicas com relação à compra de um monitor podem ser úteis para finalizar a configuração do seu PC. Apesar de não estar relacionada ao hardware, a escolha do monitor influencia diretamente no uso diário da máquina. Assim, nossas dicas são básicas, mas importantes para você ficar satisfeito com o modelo que vai comprar.

Para usar no cotidiano

Na hora de adquirir seu monitor, pense no tamanho que você almeja. Não adianta adquirir um monitor de 24 polegadas somente porque ele é maior. O importante é refletir quanto às tarefas que serão realizadas no PC. Caso você não vá jogar, editar imagens ou assistir a filmes em alta definição, talvez um modelo de 18,5 polegadas já satisfaça suas necessidades.

Quanto ao tipo de iluminação, fica a seu critério. Nossa recomendação é optar por um monitor com iluminação de LED, contudo, se você adquirir um modelo LCD “comum”, é garantido que a qualidade será excelente. Porém, se os preços forem equivalentes, optar por um modelo com tecnologia LED é válido.

(Fonte da imagem: Divulgação/LG)

O segundo aspecto a ser observado é a resolução suportada. Comprar um monitor de tamanho pequeno e utilizar uma resolução muito grande pode não ser a melhor coisa a se fazer. O interessante é buscar algo razoável, como 1366 x 768 pixels. Por outro lado, se você comprar um monitor maior, a resolução de 1680 x 1050 pixels é perfeita.

Jogos ficam ainda mais bonitos com monitor de LED

De nada adianta elaborar uma configuração gamer para o seu PC e não ter um monitor decente para exibir os belíssimos gráficos. Como você provavelmente já gastou muito na configuração, deve imaginar que para ter imagens de qualidade excelente um monitor vai custar um valor acima do normal.

Aqui novamente vale a mesma dica. Não adianta comprar um monitor Full HD e rodar os jogos em 1680 x 1050 pixels. Os modelos atuais não são programados para trabalhar com resoluções inferiores à máxima suportada. Apesar de eles exibirem as imagens, é provável que a qualidade caia drasticamente.

Monitor TV Samsung T27A550 LED (Fonte da imagem: Divulgação/Samsung)

A segunda dica é escolher um monitor com tempo de resposta baixo, 5 ms ou inferior. Também é importante prestar atenção quanto ao contraste, ou seja, adquirir um monitor que tenha um alto nível dessa característica. Vale verificar tanto o dinâmico quanto o estático.

Para jogos é essencial optar por um monitor com iluminação de LED. Jogadores que tenham optado por uma placa mais robusta podem até partir para um monitor 3D. Contudo, não recomendamos tal aquisição, pois os benefícios são poucos comparados ao alto preço.

Componentes extras

Finalizando nossa configuração ideal para o segundo semestre, vamos falar de alguns itens que podem ser adicionados ao PC.

Drive ótico

O drive que recomendamos é um gravador de DVD. Não é preciso ser um gravador muito moderno, mas de preferência um modelo que suporte ao menos gravação em dupla camada. Não recomendamos a aquisição de um drive de Blu-ray. Apesar de ser a última palavra em tecnologia, os preços ainda não compensam a aquisição. Até porque as mídias são muito caras e pode ser bem mais vantajoso investir em um leitor para a sala da sua casa.

Placa de som

Você trabalha com edição de som? Possui um sistema de som de 7.1 canais dedicado para computadores? Se você respondeu não para uma das perguntas, então você não deve adquirir uma placa de som offboard. Ainda que a qualidade de placas desse tipo seja absurdamente alta, não há necessidade de comprar uma placa tão boa para usar em casa.

(Fonte da imagem: Divulgação/Creative)

Leitor de cartões

Apesar de prático, um leitor de cartões é um componente desnecessário, afinal, todo dispositivo que trabalha com cartões de memória traz um cabo de dados para que os arquivos possam ser copiados para o computador. Assim, você só deve adquirir um leitor de cartões caso utilize muitos cartões diariamente.

Rede wireless

Para quem usa rede Wi-Fi em casa, adicionar uma placa de rede sem fio é essencial. No entanto, nossa dica é averiguar se o preço de um adaptador USB para redes Wi-Fi não custa menos. Em nossas pesquisas, encontramos adaptadores (como o Tenda W311U, na imagem abaixo) por aproximadamente 30 reais.

(Fonte da imagem: Divulgação/Tenda)

Configurações recomendadas

Aproveitando essas explicações, elaboramos uma tabela com configurações recomendadas.

Nota: os produtos indicados na tabela são apenas sugestões. Optamos pelos itens mais baratos e convenientes para cada configuração. Você pode, no entanto, escolher componentes de outras marcas para montar seu PC.

Lojas utilizadas para consulta de preços:

Agora é só usar

Nossas dicas acabam aqui. Esperamos que você tenha sanado algumas dúvidas e possa montar um PC ideal para durar mais alguns anos. Você tem mais alguma dica? Compartilhe suas informações conosco usando a seção de comentários.


RECOMENDAMOS PARA VOCÊ


RELACIONADOS
COMENTÁRIOS
NOVAS
TOPO DA PÁGINAVER SITE COMPLETO