O que é ser digital? Você saberia responder a essa pergunta? A nossa geração já não sabe mais diferenciar uma vida conectada daquela que tínhamos antes do advento das diversas tecnologias que conhecemos hoje. Poucos são aqueles que conseguem passar um dia inteiro sem usar o smartphone, acessar as redes sociais pelo computador ou se conectar com o mundo todo através da internet. Mas isso está longe de ser algo necessariamente ruim. Muito pelo contrário.

Com o aumento crescente de novas formas de se conectar ao meio digital, o acesso à informação foi democratizado. Qualquer um pode estar antenado às últimas novidades e aprender de tudo através da internet. De cursos de culinária a investimento em ações na Bolsa de Valores, há espaço para o aprendizado gratuito e irrestrito para todos. O meio digital também veio para simplificar o que antes era complexo demais. Encaminhar uma carta pelos Correios? Enviar um fax? Não! Você pode fazer muito mais através da grande rede que interliga você ao resto do mundo.

É por isso que não faz mais sentido ter a divisão do que é digital e do que não é. Tudo é digital no final das contas; e todos os setores da indústria estão percebendo isso e colocando em prática esse “mantra” na condução de seus negócios. A fim de mostrar os seus esforços nesse sentido, o Banco do Brasil nos procurou para falar das soluções digitais que oferece a uma sociedade 100% conectada. Como essa instituição se tornou o banco com o maior número de clientes em nosso país? Reinventando-se constantemente e se tornando uma referência quando o assunto é banco digital! E agora você vai conhecer, neste artigo especial, um pouco mais dessas inovadoras mudanças.

A produção deste material foi patrocinada pelo Banco do Brasil.

O que é um banco digital?

Mas afinal, o que é ser um banco digital? Mais do que simplesmente oferecer uma plataforma de Internet Banking, canais virtuais de comunicação ou um aplicativo para dispositivos móveis, é preciso modificar os processos para que eles aconteçam de forma totalmente digital. De acordo com uma pesquisa realizada pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) em 2014, um banco digital precisa ter as seguintes características:

Trata-se de um modelo operacional com uma infraestrutura capaz de responder às interações de seus clientes em tempo real. A implementação de um banco digital também cria uma cultura que se adeque rapidamente às inovações tecnológicas. Por quê? Porque o perfil dos clientes de serviços bancários mudou muito nos últimos anos. Os bancos tradicionais têm dificuldade de atender à demanda daqueles que nasceram mergulhados na era digital.

Essa geração quer ser encontrada de acordo com seus interesses específicos e suas características peculiares e não apenas representar um número em uma pesquisa demográfica. Esses são clientes atentos que desejam ser questionados sobre os produtos e serviços oferecidos e também esperam uma participação ativa e de forma antecipada do banco para a resolução de problemas.

Os clientes querem ser surpreendidos com serviços especiais e dedicados em momentos inesperados e esperam que o banco digital esteja do seu lado em longo prazo ao longo da vida. É preciso que a instituição financeira tenha um caráter informativo e orientador, pois, hoje, os consumidores têm interesse em assuntos financeiros e querem que o banco digital ofereça formas de educá-los com dicas, bem como percepções a respeito do cenário econômico. O desafio é grande, mas o Banco do Brasil já mostrou que é possível atender a esses critérios.

Por que o Banco do Brasil é digital?

Se a nossa vida tem sido cada vez mais digital, é natural que queiramos que até mesmo as nossas atividades bancárias partam para esse mesmo caminho. Para quem é cliente do Banco do Brasil, isso já é uma realidade, pois a instituição tem disponibilizado cada vez mais oportunidades de integração com os ambientes virtuais.

Hoje, nas diversas frentes de atuação digital, o BB permite que os seus clientes tenham acesso a grande parte dos principais serviços oferecidos pelo banco — você só não vai conseguir fazer saques sem sair de casa, mas todo o resto já é possível. E é assim que a instituição se torna cada vez mais digital.

Digital e em qualquer lugar – Aplicativo do Banco do Brasil

Seguindo as mais recentes tendências da tecnologia, o seu banco também pode ser transportado para o seu tablet ou smartphone. O aplicativo do Banco do Brasil para Android, iOS e Windows Phone é gratuito e coloca na palma da sua mão as principais operações e informações que você precisa ter a respeito da conta.

Para facilitar e agilizar a navegação, o app tem um Menu Personalizado. Nele, as principais funções usadas pelo correntista são colocadas em destaque logo na tela inicial, para que seja possível ter atalhos de rápido acesso. Há ainda uma busca em texto, notificações com novidades relevantes e até um canal rápido de comunicação por telefone com o seu gerente.

O app é constantemente atualizado para aprimorar o desempenho e receber novas funções. Se ele é um sucesso? De acordo com dados de outubro de 2016, ao menos 9 milhões de pessoas usam o esse aplicativo mensalmente. E a segurança está garantida: para utilizar o app mobile, é necessário inserir a senha de oito dígitos do Autoatendimento BB pela Internet. Para as transações, você também precisa da senha de seis dígitos — a mesma que você usa no seu cartão ou para acessar os caixas automáticos.

Tudo em pouco cliques – Internet Banking

É claro que não é todo mundo que está acostumado a utilizar os smartphones para realizar transações bancárias — e são vários os fatores que podem levar alguém a preferir usar o computador para solucionar seus problemas. Mas essas pessoas não estão desamparadas, pois os serviços via web do Banco do Brasil continuam funcionando a todo o vapor.

Pela plataforma do internet banking, qualquer cliente consegue verificar saldos, extratos, ordenar transferências de valores, consultar e aplicar em fundos de investimento, ter acesso a dados de empréstimos e muito mais.

Para os clientes Estilo do Banco do Brasil, ainda é possível aproveitar vantagens de comunicação via chat em tempo real e videoconferências com os gerentes responsáveis. Ou seja: tudo aquilo de que um usuário de bancos precisa e com a facilidade de estar disponível 24 horas por dia.

Perto de você – Terminais de Autoatendimento

E se você não contar com um eletrônico por perto ou estiver sem conexão com a internet? Nesses casos, dá para confiar nos bons e velhos caixas eletrônicos do Banco do Brasil, os Terminais de Autoatendimento. Presentes nas agências bancárias do Banco do Brasil, e também em pontos estratégicos das cidades, eles têm um funcionamento ágil e garantem comodidade para quem deseja usar um método mais tradicional de operação e gerenciamento da conta.

Apesar de já existirem há algum tempo, eles também fazem parte da transformação digital do banco e estão recheados de tecnologias e possibilidades. Por eles, é possível fazer todas as principais operações básicas do correntista: saques, extratos, pagamentos, empréstimos, transferências, recarga de celular pré-pago e muito mais. Ao todo, são mais de 50 tipos de transações. Como medida de segurança, é solicitada a senha de seis dígitos (não necessária para cartões com chip), o código de letras ou a impressão digital, caso o terminal já conte com esse recurso.

E o Banco do Brasil se preocupa com a experiência do usuário, com uma interface sensível ao toque, moderna e o mais amigável possível.

Inovação, empreendedorismo e startups

Com o objetivo de melhorar continuamente a experiência de seus usuários, o Banco do Brasil investe cada vez mais em inovação para seus serviços. Nesse sentido, os esforços se concentram em empreendedorismo e startups, assuntos em voga no momento e que têm promovido mudanças disruptivas em diversos modelos de negócios anteriormente conhecidos como “intocáveis”.

Em setembro de 2016, o Banco do Brasil abriu as portas para o seu primeiro Startup Weekend Fintech. Esse é o maior evento de empreendedorismo, responsável por ter fundado milhares de startups pelo mundo afora desde a sua primeira edição. Pela terceira vez no Brasil, o evento reuniu designers, programadores, profissionais do setor financeiro e empreendedores para discutir novas ideias de negócio e propor as ideias que vão pavimentar o nosso futuro.

Para reforçar ainda mais o seu comprometimento com o empreendedorismo, o Banco do Brasil instalou um laboratório no Vale do Silício e marcou presença na região como o único grande banco brasileiro. Até mesmo propostas internas têm incentivado a criação de startups; por meio do Action BB, evento realizado em dezembro de 2016, dezenas de funcionários da empresa se reuniram para discutir propostas inovadoras a fim de melhorar os produtos oferecidos pelo banco.

O Banco do Brasil vem se reinventando continuamente para atender à demanda crescente e cada vez mais tecnológica da população. O desafio não é fácil, mas os destaques deste artigo comprovam que a instituição tem cumprido muito bem o seu papel como um banco digital.